Governador discute protocolos de saúde para retomada das atividades econômicas


Governador discute protocolos de saúde para retomada das atividades econômicas

27/05/2020 - 16:56

O governador Wellington Dias planeja uma retomada das atividades econômicas de forma gradual, segmentada e regionalizada por territórios de desenvolvimento do estado. O assunto foi tratado em reunião, nesta quarta-feira (27), por videoconferência, com o Comitê de Operações Emergenciais (COE) para o coronavírus.

De acordo com o chefe do executivo estadual, a partir da análise da situação dos protocolos de saúde de cada território, pode-se avaliar a situação econômica. “Começaremos a estudar uma organização em cada território do estado para saber, por exemplo, quantos leitos clínicos e de UTI cada território possui, bem como o nível de infecção para, assim, se fazer uma avaliação de uma retomada ou até retraída, caso essa retomada faça com que os casos aumentem”, explicou.

Uma alternativa, segundo Wellington Dias, seria voltar essas atividades aos poucos. “Outro caminho é liberar as atividades de forma bem gradativa, de acordo com o risco epidemiológico. O que não vamos fazer é liberar as pessoas do grupo de risco, ou seja, as pessoas com mais de 60 anos e as com comorbidades. As empresas que forem reabrir precisam seguir um protocolo de saúde”, ressaltou o governador.

Alguns critérios serão considerados na tomada de decisão acerca da retomada das atividades, sendo o índice econômico representando 30% no peso dessa tomada de decisão e 70% como índice epidemiológico.

A diretora de Vigilância Sanitária Estadual (Divisa), Tatiana Chaves, apresentou um Plano de Contenção Simplificado que será disponibilizado às empresas de diversos setores para a reabertura. Será um protocolo com recomendações higiênico-sanitárias a ser cumprido pelas empresas, a fim de proteger tanto os colaboradores quanto os clientes. Esse plano é voltado às empresas com menos de 20 colaboradores, que não possuem Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

As empresas que possuem mais de 20 trabalhadores já têm como critério possuir Cipa que deve estar alinhada aos instrumentos de Saúde do Trabalhador e agora devem incluir os riscos ocupacionais da Covid-19 no ambiente de trabalho.

“O objetivo é minimizar a exposição dos trabalhadores no ambiente laboral ao retornar às atividades e, assim a propagação dos casos para a população geral. Recomendamos que os colaboradores sejam orientados pela empresa dos riscos e todos os cuidados necessários e deverão se cadastrar no aplicativo Monitora Covid-19”, afirmou a diretora da Divisa, Tatiana Chaves.

Os protocolos também devem ser estendidos aos servidores dos órgãos públicos estaduais, já em fase de apreciação pela Secretaria de Estado da Administração e Previdência (Seadprev). Os documentos serão ainda disponibilizados para consulta pública.

 

Fonte: Com informações da CCom